www.centrocelsofurtado.org.br

Imprimir Assine 
Compartilhe

Celso Furtado Archives Collection nº 5


 

Arquivos Celso Furtado nº 5: Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura 

Celso Furtado

Organização: Rosa Freire d'Aguiar Furtado
Rio de Janeiro: Centro Celso Furtado / Ed. Contraponto, 2012
198 páginas
ISBN: 9788578660451


 

Em grande parte da nossa história, primeiro como colônia, depois já como nação, o pensamento brasileiro não fez muito mais do que copiar saberes da Europa. Que irremediavelmente nos condenavam. Durante séculos convivemos com uma imagem negativa e pessimista de nós mesmos. Nossa inteligência era um ornamento, um baletrismo avio por importar as últimas modas, incapaz de produzir conhecimento e impulsionar qualquer mudança real.

Na década de 1930, depois de mais de cem anos de vida independente, finalmente amadureceram novas e fecundas interpretações do Brasil. Começa a se formar outra agenda brasileira, que se projeta pela maior parte do século XX em torno de dois desafios fundamentais: identidade e desenvolvimento. Celso Furtado (1920-2004) foi o pensador que melhor sintetizou essas duas questões.

O líder intelectual do desenvolvimentismo, o visionário da industrialização, o criador da Sudene, o ministro do Planejamento, o economista de prestígio internacional todos conhecem. O humanista e homem de cultura, profundamente brasileiro e cidadão do mundo, se desvela plenamente neste quinto volume dos Arquivos, ensaios sobre cultura.

Desde cedo, diz Rosa Freire d´Aguir Furtado na Apresentação, Celso percebeu que “o instrumento da economia era insuficiente para entender os problemas do Brasil e do mundo; e que o uso generalizado, e até abusivo, da matemática, e dos grandes modelos econométricos, deixara de lado outras variáveis importantes. [...] Estudar o desenvolvimento a partir de sua dimensão cultural, como ele o fez, era um enfoque inovador, e hoje é visto por pesquisadores no Brasil e no exterior como um de seus aportes teóricos mais originais. Ele costumava dizer que o homem se justifica pelos que tem – corolário de que o desenvolvimento seria menos o resultado da acumulação material do que um processo de invenção de valores, comportamentos, estilos de vida, em suma, de criatividade”.

Neste volume vemos o Celso das “Sete teses sobre a cultura brasileira” o pensador das relações entre economia e cultura, o formulador de políticas culturais, o leitor atento dos nossos clássicos: Jorge Amado, Roberto Simonsen, Vianna Moog, Rui Barbosa, Machado de Assis, Tobias Barreto, Euclides da Cunha e, é claro, seu grande amigo Darcy Ribeiro. Um lado menos conhecido, mas essencial, de sua grande obra.

César Benjamin

 

Veja o sumário e a introdução do livro no site da Editora Contraponto:

http://contrapontoeditora.com.br/produtos/detalhe.php?id=271

 





Centro Celso Furtado © 2011 - All rights reserved